Com denúncia da Folha de São Paulo, prefeitura de Maringá afirma que não aplicou doses vencidas

De acordo com levantamento da Folha de São Paulo, cerca de 25.935 doses vencidas foram aplicadas em todo Brasil, sendo Maringá a líder da lista com mais de 3 mil doses vencidas aplicadas

Com denúncia da Folha de São Paulo, prefeitura de Maringá afirma que não aplicou doses vencidas
Uma coletiva de imprensa será realizada às 15 horas desta sexta-feira (2) para maiores esclarecimentos do prefeito Ulisses Maia e do secretário da Saúde, Marcelo Puzzi. - Foto: Divulgação

No início da tarde desta sexta-feira (2) a Folha de São Paulo denunciou a aplicação de aproximadamente 26 mil doses fora do prazo de validade em milhares de brasileiros. Maringá é citada na notícia como a líder na aplicação dessas doses, somando mais de 3,5 mil pessoas vacinadas com a dose vencida. 

De acordo com a Folha, ao menos 26 mil pessoas tiveram doses da AstraZeneca fora do prazo de validade aplicadas no processo de imunização - todas referentes à primeira dose. Ao todo são mais de 1,5 mil municípios que receberam os lotes fora do prazo de validade. 

Depois de Maringá, as cidades líderes na aplicação das doses vencidas são: Belém (PA), com 2.673, São Paulo (SP), com 996, Nilópolis (RJ), com 852, e Salvador (BA), com 824. O levantamento da Folha ainda aponta que as demais cidades “aplicaram menos de 700 vacinas vencidas, sendo que a maioria não passou de dez doses”. 

Todos os dados constam em registros oficiais do Ministério da Saúde e a Folha cruzou os dados presentes no DataSUS e no Sage sobre toda a imunização do país até o dia 19 de junho. 

O Sage, Sala de Apoio à Gestão Estratégica, é um sistema do governo que registra todos os comprovantes de entregas de vacinas no país, divididas por estado. Tais documentos apontam, publicamente, o número dos lotes vacinais, o prazo de validade, fabricante e também a data de entrega das cargas. 

Já o DataSUS, sistema de informações do Ministério da Saúde, identifica todas as pessoas imunizadas no país com um código único, apresentando informações como idade, data da vacinação, grupo prioritário a qual pertence e também o lote da vacina que foi aplicada. 

LOTES VENCIDOS - De acordo com a matéria da Folha, as vacinas aplicadas fora do prazo de validade se originam de oito lotes, todos da AstraZeneca. Tais lotes foram distribuídos entre janeiro e março de 2021 pelo governo Federal antes da data de vencimento, somando mais de 3,9 milhões de doses. Destas, 140 mil não foram utilizadas dentro do prazo de validade e, até o dia 19 de junho, 26 mil já foram aplicadas fora da validade. 

Cerca de 70% das doses aplicadas fora do prazo de validade são do mesmo lote, identificado como 4120Z005, que teve vencimento marcado para o dia 14 de abril. 

Para saber se recebeu uma dose vencida, basta consultar sua carteirinha de vacinação para verificar as informações de lote, vencimento e data de aplicação. Os lotes apontados com irregularidades são:

  • 4120Z001 com vencimento previsto para o dia 29 de março;
  • 4120Z004 com vencimento previsto para o dia 13 de abril;
  • 4120Z005 com vencimento previsto para o dia 14 de abril;
  • CTMAV501 com vencimento previsto para o dia 30 de abril;
  • CTMAV505 com vencimento previsto para 31 de maio;
  • CTMAV506 com vencimento previsto para 31 de maio;
  • CTMAV520 com vencimento previsto para 31 de maio;
  • 4120Z025 com vencimento previsto para 4 de junho. 

Caso você tenha sido vacinado com uma dose fora do prazo de validade, é recomendado que compareça ao posto de saúde mais próximo para registrar o erro vacinal e aguardar novas orientações. Ainda não há informações sobre a forma que a vacina vencida possa agir no organismo.

MARINGÁ - Paraná e Pará foram os estados que receberam vacinas destes lotes. São os estados que mais possuem registros de doses aplicadas fora da validade. Em Maringá e Belém, de acordo com o levantamento da Folha, quase todas as doses vencidas foram ministradas especificamente nos dias 22 de abril e 11 de maio.

Em nota, a Secretaria Estadual de Saúde do Paraná informou que “há um problema de integração dos dados entre municípios e o sistema federal", ou seja, um erro de leitura da data de exportação do dado pelas plataformas do governo. 

A Prefeitura de Maringá também divulgou nota afirmando erro nos dados computados pelos portais do governo, confira:

“Sobre reportagem da Folha de S. Paulo que denuncia suposta vacinação contra covid-19 com imunizantes vencidos, Marcelo Puzzi, secretário da Saúde de Maringá, explica: “O lançamento no Sistema Conect SUS está diferente do dia da aplicação da dose. Isso porque, no começo da vacinação, a transferência de dados demorava a chegar no Ministério da Saúde, levando até dois meses. Portanto, os lotes elencados são do início da vacinação e foram aplicados antes da data do vencimento. Concluindo, não houve vacinação de doses vencidas em Maringá e sim erro no sistema do SUS.”

Uma coletiva de imprensa será realizada às 15 horas desta sexta-feira (2) para maiores esclarecimentos do prefeito Ulisses Maia e do secretário da Saúde, Marcelo Puzzi.

Mais informações serão divulgadas em breve.

Maringa.Com