GERAL

Assessores parlamentares também irão bater cartão-ponto

A partir de segunda-feira, dia 12 abril, esses funcionários também terão o controle de frequência feito através de cartão com código de barras e registro da impressão digital. Atualmente o controle é feito por livro ponto.

Os assessores parlamentares (APs) dos gabinetes de vereadores da Câmara de Maringá também terão o controle de frequência feito por meio do relógio ponto com leitor biométrico. Por determinação do presidente Mário Hossokawa a partir da próxima segunda-feira, 12 de abril, eles terão que passar o cartão-ponto com código de barras e também registrar a impressão digital.

Damaris Josepetti, do departamento de recursos humanos explica que atualmente o controle de frequência de parte desses funcionários ainda é feito por meio de livro ponto no gabinete de cada vereador, e que a responsabilidade sobre a jornada de trabalho é não só dos vereadores, mas também da presidência da Casa. Segundo ela, os assessores devem seguir o estatuto dos servidores, tanto nos deveres como nos direitos: “A única diferença entre os efetivos e os assessores parlamentares é o regime previdenciário”. Os assessores seguem o regime previdenciário do INSS e os efetivos fazem parte da Maringá Previdência.

A responsável pelo DRH também destaca que sempre houve o controle de freqüência através do cartão-ponto para os 56 servidores efetivos e cargos comissionados (CCs). Desde agosto de 2006 está implantado na Câmara o sistema de identificação digital, agora estendido aos contratados de acordo com a lei 8320 que reestruturou os gabinetes, criando os cargos de assessoria parlamentar, definindo funções e respectivas remunerações.
ASSESSORIA DE IMPRENSA - CMM