Aulas integrais serão destinadas ao dobro de estudantes da rede estadual em 2022

As instituições de educação integral estão presentes em 107 cidades e é previsto que o dobro de alunos sejam atendidos pelo formato nessas regiões

Aulas integrais serão destinadas ao dobro de estudantes da rede estadual em 2022
A matriz curricular do modelo integral compreende componentes curriculares diferentes dos regulares, como Projeto de Vida (que fará parte do Novo Ensino Médio), estudo orientado, liderança de turma, eletivas e clubes de protagonismo. - Foto: Gi Nicaretta

No ano letivo de 2022, a rede estadual de ensino contará com 175 escolas de Educação em Tempo Integral, que atenderão 40 mil estudantes – o dobro do ano de 2021, que teve 21 mil alunos estudando nesse modelo, em 92 escolas. As instituições de ensino estão em 107 cidades e fazem parte do programa Paraná Integral (que consiste em colégios totalmente integrais) ou do programa Integral + (em que algumas turmas dos colégios adotam o modelo).

Nas escolas de Educação em Tempo Integral, tanto os estudantes quanto os professores têm jornadas ampliadas: os alunos passam 9 horas por dia no colégio, enquanto os docentes podem cumprir todas as 40 horas semanais na mesma instituição. Para o professor, isso significa mais tempo para planejar as aulas e criar estratégias interdisciplinares. Para os estudantes, há a possibilidade de criar uma relação de mais acolhimento e pertencimento na escola.

A matriz curricular do modelo integral compreende componentes curriculares diferentes dos regulares, como Projeto de Vida (que fará parte do Novo Ensino Médio), estudo orientado, liderança de turma, eletivas e clubes de protagonismo, com temáticas escolhidas pelos estudantes — por exemplo, clubes de leitura, cinema, astronomia, jornal laboratório, entre outros.

A proposta desses componentes (e do ensino integral como um todo) é permitir que os estudantes tenham mais protagonismo na escola e estejam capacitados para planejar seus futuros de acordo com seus projetos de vida.

Outro diferencial desse modelo de ensino é a presença de professores coordenadores de área (que acompanham os professores da cada área do conhecimento, orientando-os em questões relativas à BNCC — Base Nacional Comum Curricular) e de professores tutores. Estes acompanham de perto, e de maneira individualizada, o desenvolvimento, as necessidades e as conquistas de cada aluno.

SEMINÁRIO DE BOAS PRÁTICAS – Nos dias 25 e 26 de novembro, acontecerá o Seminário de Boas Práticas da Educação em Tempo Integral na UniBrasil, em Curitiba. Participarão do evento diretores, pedagogos e professores de escolas integrais de todo o Estado, compartilhando as boas práticas pedagógicas e de gestão desenvolvidas em seus colégios.

PARANÁ INTEGRAL – O programa Paraná Integral segue o modelo da Escola da Escolha, adotado em escolas de todo o Brasil. No Paraná, o projeto conta com parcerias com o ICE (Instituto de Corresponsabilidade pela Educação), Instituto Sonho Grande e Natura.

Agência Estadual de Notícias